Após 300 dias de governo, o presidente Jair Bolsonaro apresentou ao Congresso Nacional, no início do mês de novembro, o Plano Mais Brasil. O pacote de propostas tem o intuito de consolidar ainda mais a destruição do Estado brasileiro. O plano é composto por três propostas de emenda à Constituição (PECs), que desobrigam a União de promover serviços públicos à população, ataca diretamente os servidores públicos e permite a transferência dos recursos públicos para a iniciativa privada.

Apelidada de PEC “Emergencial”, a proposta traz alterações que buscam reduzir os gastos obrigatórios da União. Já a PEC do “Pacto Federativo” altera a distribuição de recursos entre os três entes federativos, prevendo até a extinção de municípios com menos de 5 mil habitantes. Por fim, a última proposta que integra o Plano é chamada de “Fundos Públicos”, que propõe uma série de medidas, entre eles a extinção dos fundos e a destinação de parte dos recursos - atualmente de R$ 219 bilhões - para a amortização da dívida pública.

ATAQUE AOS SERVIDORES PÚBLICOS

Diversas medidas foram apresentadas pelo governo na PEC Emergencial, entre elas a redução de 25% da jornada e dos salários dos servidores públicos, a proibição de reajuste salarial, criação de cargos, reestruturação de carreiras e abertura de concurso públicos. Além disso, o texto prevê o veto à promoção de funcionários públicos - mesmo para os que tiverem cumprido os requisitos para recebê-la, a suspensão do repasse ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), que é responsável, por exemplo, pelo custeio do seguro-desemprego – e ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), entre outras atrocidades.

Para a vice-presidente da APROFURG - Seção Sindical do ANDES-SN, Marcia Umpierre a PEC surge de forma disfarçada buscando confundir a população. “A PEC emergencial vem disfarçada de uma preocupação com as contas e com os gastos públicos dos governos federal, estadual e municipal. Ela vem fingindo ser essa preocupação de que o Estado não gaste mais do que arrecada, em prol dos direitos dos servidores públicos federais. Então ela prevê uma redução na carga horária, jornada de trabalho, redução de salário, sem progressões e promoções e sem a realização de concursos públicos”, explicou Marcia.

Ainda segundo a professora, o pagamento de uma dívida impagável não explica as razões do atual governo para este projeto. “ O governo diz que se houver superavit nas contas públicas, o recurso que for poupado será utilizado para amortizar os juros da dívida. E todos nós sabemos que o pagamento de uma amortização de uma dívida que é impagável torna tudo isso um afronte à todos os servidores públicos, em mais uma prova de que o serviço público não é prioridade do atual governo”, ressaltou a vice-presidente da APROFURG.

PORQUE O SERVIDOR TEM QUE PAGAR A CONTA?

Ao mesmo tempo em que determina que valores de superavit devem ser usados prioritariamente para pagar os juros da dívida pública ao sistema financeiro, a PEC joga nas costas dos servidores as contas de ajustes fiscais.

Não é coincidência o fato de que ministro da Economia, Paulo Guedes, veio diretamente do sistema financeiro para conduzir o direcionamento do Estado em favor desse mesmo sistema.

Segundo o senador paranaense Oriovisto Guimarães, relator de PEC Emergencial no Senado, os servidores devem se sacrificar em nome desse projeto político e econômico. “Se precisa que eles deem alguma cota de sacrifício, assim como a população que não é funcionária pública está dando, terão que participar”, afirmou.

Ironicamente, Oriovisto é dono de um dos maiores grupos econômicos do país, que atua em diversos setores econômicos, muitos deles beneficiados por diversos programas de incentivos fiscais que isentam ou beneficiam empresas com a redução dos tributos pagos às diferentes esferas governamentais. Isso é justamente o contrário de “se sacrificar”.




 

 

Ficam os Docentes sindicalizados da Universidade Federal do Rio Grande - FURG e IFRS - Campus Rio Grande convocados para a Assembleia Geral a ser realizada no dia 18 de novembro, segunda-feira, na sede da APROFURG, às 13h30min, em primeira convocação, e, 14h, em segunda convocação, com qualquer quorum.

PAUTA:

- Informes;
- Análise de Conjuntura: (Reforma Administrativa, PEC Emergencial, Reforma Sindical e o Golpe na Bolívia).
- Ações e mobilizações;
- Estado de greve no ANDES-SN a partir do início do primeiro semestre letivo;
- TRs da APROFURG para o Congresso;
- Aprovação dos nomes dos Representantes da APROFURG no CONDEMA;
- Assuntos Gerais.


O não comparecimento de vossa senhoria implicará no acatamento de todas as decisões tomadas na Assembleia.

 


Rio Grande, 13 de novembro de 2019.
Cristiano Ruiz Engelke
Presidente

 

 

 
Fique ligado! Entre os dias 29 de novembro e 1º de dezembro a APROFURG recebe o evento “Histórias do Movimento Docente: Lutas por autonomia e liberdade, ontem e hoje”.
 
A atividade vai ocorrer na sede do sindicato e vai contar com vasta programação.
 
Mais informações vão ser divulgadas durante a semana. 
 
 

 

A Aprofurg - Seção Sindical do ANDES-SN convida todos e todas para a reunião conjunta do Grupo de Trabalho de Política Educacional (GTPE), dia 14 de novembro, às 12h, na sede do sindicato!


Pauta:

- Conjuntura;
- Participação reunião GTPE nacional.

Notícias Regionais

NOTÍCIAS DO SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR