NOTA DA DIRETORIA NACIONAL DO ANDES-SN EM DEFESA DA DEMOCRACIA, DA AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA, DA LIBERDADE DE PENSAMENTO E DE EXPRESSÃO E EM SOLIDARIEDADE AO PROFESSOR PEDRO RODRIGUES CURI HALLAL, DA UFPEL

 

Como podemos caracterizar um regime político que utiliza todos os meios institucionais para coibir críticas àquele que personifica o Poder Executivo? De que forma de governo mais se assemelha o uso dos aparelhos de repressão do Estado para amordaçar aquele(a)s que têm como ato de ofício o pensamento crítico? Que monstros políticos resultam da indistinção propositada entre Estado e Governo, concebendo aquele que governa toda e qualquer crítica contra si como uma afronta ao Estado e suas instituições?

Ensina-nos a experiência contemporânea que as democracias não morrem da noite para o dia: elas vão sendo sufocadas, lentamente asfixiadas.

Jair Bolsonaro proclamou, desde a aurora de seu governo, as universidades públicas como inimigas, sobretudo por abrigarem vozes dissonantes dos propósitos ultraneoliberais da contrarreforma do Estado e de uma agenda dos costumes que pretende impor retrocessos à luta pelos direitos das mulheres, LGBTQIA+, do povo preto, indígenas, das comunidades de terreiro e de tantos outros segmentos minorias sociais oprimidos e explorados sob a ordem do capital, em nome de um modelo patriarcal e cisheteronormativo de família.

Cortes e contingenciamentos têm sido seguidos por intervenções nos processos internos de instituições federais de ensino superior, sobretudo para a definição dos seus quadros dirigentes e para a perseguição daquele(a)s que se posicionam contrário(a)s às políticas do governo federal, de desmonte do Estado e destruição de direitos.

Em meio a mais grave crise sanitária de toda a nossa história, o governo Bolsonaro declarou guerra não apenas às universidades públicas e institutos de pesquisa, mas às ciências, movendo-se contra um dos sustentáculos da soberania nacional, o domínio técnico-científico. Enquanto pesquisadore(a)s lutam, em meio a escassez de recursos básicos, para salvar vidas, a anticiência que chancela o obscurantismo no poder, nas falas públicas do próprio presidente, desacredita teses científicas, defende métodos inexistentes (o tal “tratamento preventivo à Covid”), medicamentos ineficazes (como a hidroxicloroquina) e estimula o descumprimento de medidas sanitárias, promovendo aglomerações e desestimulando o uso de máscaras.

E o que deve a comunidade acadêmica e científica fazer diante do escárnio, da desinformação, do estrangulamento orçamentário de suas instituições e da intervenção política? Segundo o Termo de Ajustamento de Conduta exarado nos autos do Processo 00190.100589/2021-98, movido contra o professor Pedro Rodrigues Curi Hallal, da Universidade Federal de Pelotas, deve não apenas se calar, mas responder por ter ousado dizer.

O procedimento movido contra o professor o acusa de “manifestação desrespeitosa e de desapreço direcionada ao Presidente da República”, quando se pronunciava ainda como Reitor da UFPel, durante transmissão remota, no dia 7 de janeiro de 2021.

A fala tratava da posse da nova gestão e que, desconsiderando a vontade da comunidade acadêmica e de seu conselho superior, seguia a lógica fincada desde o início do governo Bolsonaro: a da intervenção. No entanto, o professor anunciava que na UFPel a legitimidade política de que carece o cargo de reitor seria construída com um ato de resistência: compondo-se ambos, o candidato empossado e o candidato legitimamente eleito, para a condução dos destinos da universidade. E é disso que se trata!

E a cada mordaça atada mais sufocada resulta a democracia que, nessa tessitura social, jamais se concretizou. Coerentes com os 40 anos de história do nosso Sindicato Nacional, estamos firmes nessa luta que não se encerra na defesa de um docente: é a luta em defesa de princípios, e dela não abnegaremos!

 

Mordaça não!

Não nos calaremos, mobilização já, em defesa da democracia e da vida!

Fora Bolsonaro e Mourão!

 

Brasília (DF), 3 de março de 2021.

 

Diretoria Nacional do ANDES-SN

 

 

APROFURG APROVA INDICATIVO DE GREVE SANITÁRIA EM DEFESA DA VIDA

 

Após amplo debate junto à categoria, docentes aprovaram por unanimidade o indicativo de greve sanitária, em assembleia geral, nesta quinta-feira



Na tarde desta quinta-feira, dia 25 de fevereiro, os professores sindicalizados e as professoras sindicalizadas da APROFURG - Seção Sindical do ANDES-SN realizaram mais uma assembleia geral da categoria docente da FURG e do IFRS - Campus Rio Grande. Por unanimidade foi aprovado o indicativo de greve sanitária em defesa da vida.

 

A Assembleia começou pontualmente às 16h, com os informes dos professores e professoras que participavam da conversa online. O tema dos informes passou pela reunião conjunta dos Setores das IFES e das IEE/IMES e pelas reuniões dos Grupos de Trabalhos (GTs) do ANDES-SN, como Comunicação e Arte, do GT História do Movimento Docente, além da Comissão da Verdade.

 

Em seguida, o segundo ponto de pauta tratou sobre o "Estado de Greve Sanitária pelo ANDES-SN". O professor do IFRS - CAMPUS RIO GRANDE e membro da diretoria da APROFURG, Gustavo Borba de Miranda fez um relato sobre os assuntos debatidos na reunião do setor do Sindicato Nacional e porque o ANDES-SN sugeriu o Estado de Greve. Depois de amplo debate, os encaminhamentos propuseram a substituição do termo "estado de greve" para "indicativo de greve". Por unanimidade, foi aprovado o indicativo de greve sanitária em defesa da vida.

 

Vale ressaltar que o ANDES-SN não é contra o retorno presencial, mas defende a volta com as seguintes condições: Vacina do SUS para todas e todos, com a ordem de prioridades definidas nacionalmente pelo PNI; Testagem ampla e rastreamento; Condições de trabalho nas IE e CEFET, com os procedimentos, as adaptações, e os materiais.

 

Para a vice-presidenta da APROFURG, Alana Pedruzzi, a aprovação unânime dos professores e das professoras foi parte importante deste processo. “Isso significa que a base está unida na defesa dos interesses da categoria e de toda a sociedade, entendendo a importância desta temática e procurando garantir todas as condições de trabalho para o retorno presencial, garantindo a saúde e a vida de todos e todas”, disse.




ASSEMBLEIA PERMANENTE

O terceiro ponto de pauta foi a assembleia permanente para a temática da greve, que também foi aprovada por unanimidade. As assembleias tradicionais têm que ser convocadas com 72 horas de antecedência. Já com a aprovação da assembleia permanente, a categoria não precisa cumprir o prazo de três dias, ou seja, a diretoria pode chamar a assembleia a qualquer momento, sem implicações estatutárias e regimentais. “A assembleia permanente reitera que o ponto sobre a greve sanitária não foi encerrado, e a discussão pode retornar a qualquer momento”, finaliza a vice-presidenta da Aprofurg, Alana Pedruzzi.



























 

CONVOCATÓRIA REUNIÃO GTPE APROFURG - 23/02 - 11h

 

Prezadas(os) colegas,

 

O Grupo de Trabalho de Política Educacional (GTPE) da APROFURG - Seção Sindical Andes/SN convida para uma reunião a ser realizada no dia 23 de fevereiro, às 11h, na plataforma google meet online.

 

_______________

Pauta:

 

- Avaliação do ERE;

- Reunião do Pleno do GTPE;

- Assuntos gerais.

Obs: Para inscrição na reunião online, os/as docentes devem enviar um e-mail manifestando o interesse para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. até a próxima terça-feira, dia 23, às 10h30minh. O link do google meet será enviado para o e-mail de todos e todas que se inscreverem na reunião.




 

Ficam os Docentes sindicalizados da Universidade Federal do Rio Grande - FURG e IFRS - Campus Rio Grande convocados para a Assembleia Geral a ser realizada no dia 25 de fevereiro, quinta-feira, na plataforma google meet online, às 15h30min, em primeira convocação, e, 16h, em segunda convocação, com qualquer quorum.

 

PAUTA:

 

- Informes; 

- Estado de greve sanitária pelo ANDES-SN;

- Assembleia permanente.

 

O não comparecimento de vossa senhoria implicará no acatamento de todas as decisões tomadas na Assembleia.

 

obs: Para inscrição e participação na assembleia online, os sindicalizados e sindicalizadas devem enviar um e-mail manifestando o interesse para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. até a próxima quinta-feira, às 15h.

 

O link do google meet será enviado para o e-mail de todos e todas que se inscreverem na assembleia geral.



Rio Grande, 22 de fevereiro de 2021.

 

Marcia Borges Umpierre

 

Presidenta



 

 

 

 

 

O ANDES-SN convocou o 11º CONAD Extraordinário para os dias 27 de março e 3 de abril de 2021. O CONAD será organizado pela Diretoria Nacional, acontecerá por meio eletrônico, em caráter excepcional, e terá como tema “Em defesa da vida, dos serviços públicos e da democracia e autonomia do ANDES-SN”.

Em assembleia geral online, realizada na tarde de hoje, dia 17 de fevereiro, a APROFURG - Seção Sindical do ANDES-SN escolheu a sua delegação para o evento.

A professora Alana Pedruzzi foi eleita a delegada. Já os professores Juarez Fuão e Marcelo Cafrune serão os observadores.

Vale ressaltar que o professor Juarez Fuão é o suplente da delegada Alana Pedruzzi.

 

Notícias Regionais

NOTÍCIAS DO SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR