NOTA DEMOCRACIA EM MOVIMENTO SOBRE A SITUAÇÃO POLÍTICA DO NOSSO PAÍS

A DEMOCRACIA EM MOVIMENTO vem por meio desta nota apresentar publicamente seu posicionamento perante à grave situação política que enfrenta o nosso país. Somos um grupo de professores e professoras da FURG e do IFRS, eleitos para a nova direção da APROFURG.
É preciso ter claro que vivemos um momento extremamente delicado no Brasil, resultado do aprofundamento de um golpe de Estado político-jurídico-midiático-parlamentar em curso e que vem afundando o Brasil para ser entregue “a troco de banana” para o mercado financeiro, transnacionais e países que insistem em nos explorar.
A greve dos caminhoneiros nos coloca diante de uma situação adversa em que há uma grande convulsão social a partir da paralisação dos (as) caminhoneiros (as), que são uma categoria fundamental para o transporte de mercadorias básicas para o país como alimentos, medicamentos, combustíveis etc. Dessa forma, ficam expostas inúmeras problemáticas de nosso país, aqui centralizadas na questão dos combustíveis e custo dos transportes. Mas, é algo que vai muito além, pois se trata da estratégia nacional de desenvolvimento juntamente com a Petrobrás. Dependendo do desfecho e das reações sobre essa paralisação, pode ocorrer o início do processo de privatização da Petrobrás, que entregará nossas riquezas e o poder decorrente delas para as grandes multinacionais do petróleo. Nosso pré-sal já foi entregue ao capital internacional, praticamente de graça, comprometendo o que seria investido em educação e saúde. Além disso, a Emenda Constitucional 95/2016 também impede tais investimentos, independentemente da origem destes.
A sanha neoliberal do governo golpista nos jogou nesta situação em que o mercado financeiro e as bolsas de valores definem o preço dos combustíveis, chegando ao ponto de travar a economia brasileira. É estratégico que a Petrobrás mantenha-se estatal e seja mais um elemento propulsor do nosso desenvolvimento nacional de forma soberana.
A greve promovida por caminhoneiros (as) é legítima e deve ter apoio de todas as categorias de trabalhadores e trabalhadoras, uma vez que estamos lidando com a luta de uma categoria que vem sofrendo imensos prejuízos. Da mesma forma, inúmeras políticas que acabam com direitos de trabalhadoras e trabalhadores vem sendo implementadas e a categoria docente vem lutando contra sua consolidação, em especial no que diz respeito à nefasta “PEC do fim do mundo” ou “PEC 241 (55)/2016”, atual EC95/2016, que ao cortar investimentos em políticas sociais está precarizando e destruindo políticas públicas que são conquistas históricas da sociedade brasileira, inclusive a educação pública em nosso país.
O que mais nos preocupa neste momento é o enorme risco que vem sofrendo a nossa democracia. Nunca poderíamos imaginar que estaríamos escrevendo uma nota para chamar a atenção sobre a importância da manutenção da democracia brasileira, tão nova e ainda em consolidação. O momento que enfrentamos nos pede a luta política urgente, mas ao mesmo tempo cautela para não nos equivocarmos em um momento decisivo.
Dessa forma, defendemos de forma intransigente:
1) A defesa da democracia como única forma possível de construção política na atualidade. Qualquer posicionamento que vá ao sentido inverso deve ser veemente combatido.

2) A defesa da classe trabalhadora, em suas mais diversas representações, a qual deve buscar unidade neste momento, por mais difícil que seja. O inimigo é muito maior que nossas diferenças.

3) A participação efetiva na luta política como forma de não deixar os grupos que querem destruir a construção da democracia brasileira tenham o protagonismo neste momento, muitos deles com apoio aberto e irrestrito dos grandes meios de comunicação.

4) A unidade na luta é imprescindível nesse momento! A construção da unidade com quem se encontra ao lado de trabalhadoras e trabalhadores, em defesa do patrimônio nacional, em defesa da soberania nacional, em defesa de um país mais justo e menos desigual e em defesa de um país que possa ser construído de forma cada vez mais democrática.

Sabemos que não é fácil e os desafios são imensos. Temos muita luta pela frente. Não há soluções fáceis e imediatistas. Não é momento para passos em falso ou para assistirmos o que está acontecendo. A DEMOCRACIA EM MOVIMENTO se coloca na luta e na articulação com os demais sindicatos, movimentos sociais, coletivos, estudantes, trabalhadoras e trabalhadores para que possamos ter um Brasil que encontre um novo caminho através da luta democrática nas ruas.
Não há outro caminho que não seja a luta unificada pela esquerda, pelo fim dos retrocessos neoliberais, pelo afastamento de qualquer possibilidade de eleição indireta e intervenção militar em nosso país.
A história está passando em nossa frente, depende de nós o que iremos contar no futuro. O que fizemos nesse momento decisivo? Ou calaremos de vergonha por termos sido omissos?
À luta! À luta! À luta! Uni-vos!


FORA TEMER!
SIM A DEMOCRACIA! NENHUM DIREITO A MENOS!

 

Tecendo a manhã
João Cabral de Melo Neto

"Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre de outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo
para que a manhã, desde uma teia tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos.(...)”

 

 

DEMOCRACIA EM MOVIMENTO

28 de maio de 2018

logo-facebookTwitter-High-Quality-PNG

Contato

Endereço: Av. Itália, km 08 - Bairro Carreiros, Rio Grande - RS, 96203-000

Telefone:(53) 3230-2522 / 3230-1939